Chaconne BWV 1004 de J.S. Bach na transcrição de Andrés Segovia e sua ênfase acordal para uma proposta sonora robusta: análise comparativa da primeira seção

Artigo resultante do trabalho como pesquisador remunerado junto ao projeto "O REPERTÓRIO VIOLONÍSTICO E A PERFORMANCE: Estudos de revisão crítica" com orientação do Prof. Dr. Maurício Tadeu dos Santos Orosco.

Este artigo propõe uma análise comparativa da transcrição de Andrés Segovia da Chaconne BWV 1004, circunscrita aos sessenta primeiros compassos. Nosso intuito é demonstrar como Segovia explora as possibilidades acordais do violão de modo a prover uma versão de sonoridade robusta, com ênfase em blocos harmônicos. Tal versão, porém, é erroneamente apontada como tão somente provedora de uma sonoridade romântica para a obra, impressão esta que se completa quando nos deparamos com a gravação da mesma pelo violonista. Através das análises, conjecturamos como esta versão se insere em seu contexto histórico, buscando comprovar a capacidade do violão em um discurso musical de fôlego maior. Para entendermos as adições de notas de Segovia, confrontaremos sua versão com a que lhe serviu de base, de Feruccio Busoni (1924), e também com a versão recente de Gustavo Costa (2012), que apresenta uma proposta de pensamento contrapontístico, a exemplo de como procedem os transcritores no século XXI.

 

Link para revista Ouvirouver da Universidade Federal de Uberlândia

Início

Fundação Alimento dos Deuses

Estúdio de Produção Musical

CNPJ 32.616.693/0001-38

Uberlândia e Uberaba/MG

2016-2020©