Teoria Musical IX: Tétrades no Modo Menor

Agora que já aplicamos as tétrades ao modo maior, vamos fazer o mesmo no modo menor. A diferença aqui é que serão formados 3 campos harmônicos diferentes, da mesma forma que foi feita com as tríades AQUI.

Começaremos na escala de dó menor natural:

C D Eb F G Ab Bb

I – C Eb G Bb

fundamental – Dó

terça menor – Mib

quinta justa – Sol

sétima menor- Sib

cm7

II – D F Ab C

fundamental – Ré

terça menor – Fá

quinta diminuta – Láb

sétima menor – Dó

 DØ

III – Eb G Bb D

fundamental – Mib

terça maior – Sol

quinta justa – Sib

sétima maior – Ré

Eb7M

IV – F Ab C Eb

fundamental – Fá

terça menor – Láb

quinta justa – Dó

sétima menor – Mib

fm7

V – G Bb D F

fundamental – Sol

terça menor – Sib

quinta justa – Ré

sétima menor – Fá

gm7

VI- Ab C Eb G

fundamental – Láb

terça maior – Dó

quinta justa – Mib

sétima maior – Sol

Ab7M

VII – Bb D F Ab

fundamental – Sib

terça maior – Ré

quinta justa – Fá

sétima menor – Láb

 Bb7

Então, podemos montar o campo harmônico de Dó menor com tétrades baseado nos acordes montados acima:

cm7  DØ  Eb7M  fm7  gm7  Ab7M   Bb7

O campo harmônico menor natural será:

i7 – menor com sétima menor

iiØ – meio diminuto

III7M – MAIOR com sétima maior

iv7 – menor com sétima menor

v7 –menor com sétima

VI7M – MAIOR com sétima maior

VII7- MAIOR com sétima

A construção desse campo harmônico exemplifica o problema do modo menor. A estrutura que caracteriza o discurso tonal é a relação de tônica – subdominante – dominante.
Nesse campo harmônico, a dominante, o quinto grau, é um acorde menor. E como acorde menor, não exerce a função de dominante na tonalidade. Para resolvermos esse empecilho, temos a escala menor harmônica. O sétimo grau da escala é elevado para atingirmos a atração da sensível, e assim, o acorde se torna Maior.
(Tudo isso já foi aprofundado no post sobre escalas menores)

Será necessário construir um novo campo harmônico, agora com a menor harmônica: 

C D Eb F G Ab B

I – C Eb G B

fundamental – Dó

terça menor – Mib

quinta justa – Sol

sétima maior- Si

cm7M

II – D F Ab C

fundamental – Ré

terça menor – Fá

quinta diminuta – Láb

sétima menor – Dó

 DØ

III – Eb G B D

fundamental – Mib

terça maior – Sol

quinta aumentada – Si

sétima maior – Ré

Eb5+7M

IV – F Ab C Eb

fundamental – Fá

terça menor – Láb

quinta justa – Dó

sétima menor – Mib

fm7

V – G B D F

fundamental – Sol

terça maior – Si

quinta justa – Ré

sétima menor – Fá

G7

VI- Ab C Eb G

fundamental – Láb

terça maior – Dó

quinta justa – Mib

sétima maior – Sol

Ab7M

VII – B D F Ab

fundamental – Si

terça menor – Ré

quinta diminuta – Fá

sétima diminuta – Láb

 B°

Campo harmônico menor harmônico:

cm7M  DØ  Eb5+7M  fm7  G7  Ab7M  B°

i7M – menor com sétima maior

iiØ – meio diminuto

III+7M – AUMENTADO com sétima maior

iv7 – menor com sétima

V7 –MAIOR com sétima

VI7M – MAIOR com sétima maior

vii°- diminuto

Agora, para resolver o problema do salto de segunda aumentada de Ab para B, sexta menor para sétima maior, temos a escala menor melódica:

 

 C D Eb F G A B

I – C Eb G B

fundamental – Dó

terça menor – Mib

quinta justa – Sol

sétima maior- Si

cm7M

II – D F A C

fundamental – Ré

terça menor – Fá

quinta justa – Lá

sétima menor – Dó

 dm7

III – Eb G B D

fundamental – Mib

terça maior – Sol

quinta aumentada – Si

sétima maior – Ré

Eb5+7M

IV – F A C Eb

fundamental – Fá

terça maior – Lá

quinta justa – Dó

sétima menor – Mib

F7

V – G B D F

fundamental – Sol

terça maior – Si

quinta justa – Ré

sétima menor – Fá

G7

VI- A C Eb G

fundamental – Lá

terça menor – Dó

quinta diminuta – Mib

sétima menor – Sol

VII – B D F A

fundamental – Si

terça menor – Ré

quinta diminuta – Fá

sétima menor – Lá

 BØ

Campo harmônico da menor melódica:

cm7  dm7  Eb5+7M  F7  G7  AØ BØ

i7M – menor com sétima maior

ii7 – menor com sétima

III+7M – AUMENTADO com sétima maior

IV7 – MAIOR com sétima

V7 –MAIOR com sétima

VIØ – meio diminuto

VIIØ– meio diminuto

Unindo tudo isso, teremos todas as tétrades do modo harmônico:

i – cm7  | cm7M
ii – dm7 | DØ
III – Eb5+7M | Eb7M
IV – F7 | fm7
V – G7 | gm7
VI – Ab7M |  AØ
vii – B° | Bb7 | BØ

Finalmente, formaremos um campo harmônico simplificado para o modo menor com os acordes mais usados:

i – cm7M
ii – DØ
III – Eb7M
IV – fm7
V – G7
VI – Ab7M
vii – B°

Agora basta aplicar esse conceito a outras tonalidades de seu instrumento. No violão, é apropriado trabalhar com as tonalidades de Ré, Lá, Mi, Sol e Dó.

A próxima lição será sobre progressões harmônicas.

Christhian Beschizza

compositor, violonista, produtor, editor, autor e psiconauta

(34)99872-6957

Currículo

Fundação Alimento dos Deuses

Educação e Produção Musical

CNPJ 32.616.693/0001-38

Uberaba/MG

2016-2020©