Superstição, Correlação e Causação

Esse pequeno artigo elucida alguns conceitos sobre as premissas filosóficas do naturalismo, do vitalismo e sobre o mecanismo de pensamento mágico,

selecionado por Christhian Beschizza e traduzido de leituras diversas.

Superstição é a ideia de que mecanismos sobrenaturais afetam os resultados no mundo natural. É a crença irracional de que um objeto ou comportamento tem o poder de influenciar um resultado, quando não há conexão lógica entre eles.

Naturalismo

O naturalismo filosófico é a doutrina de que o mundo natural é tudo o que existe - em outras palavras, que o 'sobrenatural' é por definição impossível, pois tudo o que é mostrado existir (via afetar o mundo natural) é claramente parte desse mesmo mundo natural.

Basicamente, todos os cientistas (e uma vasta maioria dos filósofos modernos) aderem a alguma versão do naturalismo, razão pela qual a referência a efeitos ou forças sobrenaturais ou milagrosos é desaprovada na academia.

O naturalismo filosófico é indiscutivelmente o resultado final lógico do naturalismo metodológico. O naturalismo metodológico aceita que não há como contatar, detectar ou, de outra forma, observar empiricamente o sobrenatural. Em consequência, os naturalistas metodológicos consideram o método científico como a melhor maneira de determinar a verdade sobre a realidade. Como as forças sobrenaturais e inteligentes - se existirem - são imprevisíveis e, portanto, irrepetíveis, os naturalistas rejeitam a possibilidade de intervenção sobrenatural ou mágica no mundo físico.

Os naturalistas filosóficos levam essas crenças um passo adiante e rejeitam a existência do sobrenatural, citando a absoluta falta de evidência empírica. Por causa da ausência de evidências científicas que apoiam a religião, a maioria dos naturalistas filosóficos também é ateísta (ou no máximo deístas).

Vitalismo

Vitalismo é a doutrina filosófica que a vida tem uma qualidade independente das leis físicas e químicas, como uma alma imaterial. Portanto, é contrário ao naturalismo, a crença de que apenas o mundo natural existe. O vitalismo é também a base para a crença espiritual moderna em uma "força vital" ou energia. Essa "força" foi rejeitada pela ciência, mas o pensamento vitalista persiste no pensamento religioso e é amplamente aceito por muitas tradições espiritualistas, incluindo o cristianismo fundamentalista e o movimento da Nova Era. É também uma influência importante na medicina alternativa e outras marcas de pseudociência.

Ao longo do século XX e continuando até os dias atuais, os biólogos moleculares descobriram numerosos mecanismos de escala molecular, como o transportador bem conhecido do DNA hereditário e seu RNA relativo. Mesmo que alguns problemas, como o desenvolvimento, continuem sendo muito difíceis, os biólogos ainda não encontraram nenhum traço de força vital.

O dualismo mente-corpo ou alma separável é essencialmente uma teoria vitalista da mente e da consciência. O trabalho científico em mente não progrediu até os processos biológicos em geral, mas tem a mesma tendência: nenhum traço de alma separável pode ser encontrado.

Pensamento Mágico

O pensamento mágico é uma forma de raciocínio que aprende relações causativas apenas através da correlação. A ciência e o método científico são projetados para elucidar as relações causais por meio de experimentos controlados e cuidadosos;

O pensamento mágico, dada uma correlação com um efeito observado, estabelece uma causação "do nada". Por exemplo, chegar a acreditar que uma determinada peça de joalheria trás sorte, porque algumas coisas boas aconteceram quando foram usadas.

Outro exemplo comum de pensamento mágico surge na medicina alternativa. Muitas doenças têm uma progressão natural e desaparecem sozinhas. Se alguém tiver uma dor de cabeça e engolir um pouco de água fornecida por um homeopata, quando a dor de cabeça desaparecer, poderá atribuir a causa à água, em vez de progressão natural. Essa forma de pensamento mágico combinada com o efeito placebo e a regressão à média explica uma grande quantidade de evidências anedóticas supostamente positivas.

Correlação não implica causação é a ideia logicamente válida de que eventos que coincidem entre si não são necessariamente causados ​​um pelo outro. A forma de falácia que ela aborda é conhecida como post hoc, ergo propter hoc.

Por exemplo: tanto as taxas de vacinação quanto as taxas de autismo estão aumentando (talvez até correlacionadas), mas isso não significa que as vacinas causem autismo. A realidade é que causa e efeito podem ser indiretos devido a um terceiro fator conhecido como variável de confusão - ou que a causalidade pode ser o inverso do que é assumido. A suposição de causalidade é falsa quando a única evidência disponível é a correlação simples. No entanto: não é verdade que a correlação não possa implicar causação. Em um experimento científico controlado, a causação pode ser desencadeada a partir de uma correlação removendo todas as possíveis variáveis ​​de confusão. (Muitas vezes, vários experimentos idênticos são executados com diferentes níveis da variável experimental, como a temperatura ou a dosagem da droga.) Se ainda houver uma correlação, então a causação é muito, muito provável.

[9 min] Superstição, CC em Português

Não há despertar de consciência sem dor. As pessoas farão de tudo,

chegando aos limites do absurdo para evitar enfrentar a sua própria alma.

Ninguém se torna iluminado por imaginar figuras de luz,

mas sim por tornar consciente a escuridão.

Carl Jung

Início

Fundação Alimento dos Deuses

Estúdio de Produção Musical

CNPJ 32.616.693/0001-38

Uberlândia e Uberaba/MG

2016-2020©