Harmonia III – Verticalidade das Vozes

Nessa lição, inciarei o estudo do livro HARMONIA FUNCIONAL, de Hans-Joachim Koellreutter. Antes dos exercícios práticos, temos alguns tópicos a serem discutidos:

  • Extensão de vozes: A escrita deve ser realizada dentro dos limites internos, tendo como objetivo uma leitura e execução fáceis, visto que os externos são extensões de profissionais.

  • Dobramentos: Frequentemente, somos forçados a dobrar (mesma nota [nem sempre da mesma oitava] em duas vozes) uma nota do acorde. Nesse caso, deve-se preferir dobrar a fundamental. A quinta também é uma alternativa, mas é raro dobrar-se terças. A quinta do acorde também pode ser omitida.

  • Cruzamento de vozes: Por enquanto, deve-se evitar que o baixo soe mais alto que o tenor, o tenor que o contralto e o contralto que o soprano.
    Esse conceito é aplicado verticalmente, não horizontalmente. Quer dizer que, no mesmo acorde, a altura das vozes não violará a relação soprano-contralto-tenor-baixo.

  • Distância das vozes:  As relações entre |tenor + contralto| e  |contralto + soprano| não deve exceder uma oitava. Entre o baixo e tenor, não há restrições de oitava.

  • Isso quer dizer que, se é usado um Dó 3 no tenor, o contralto não deve ultrapassar Dó 4. Se a escolha for um Sol 3, o soprano se limitará ao Sol 4. O Baixo poderá estar cantando um Sol 1 sem problemas.

  • Posição dos acordes: É possível posicionar um acorde de várias formas diferentes:

  • Movimento das vozes: Alguns tipos de movimento são proscritos na condução de vozes. É importante reconhece-los e evita-los, pois prejudicam a independência das vozes. Estes serão discutidos na primeira lei tonal, mas é importante já conhecer o movimento de vozes.

Início

Fundação Alimento dos Deuses

Estúdio de Produção Musical

CNPJ 32.616.693/0001-38

Uberlândia e Uberaba/MG

2016-2020©